Quais os sinais e sintomas do câncer de próstata?

Anda cansado e com vontade de fazer xixi o tempo todo? Percebeu sangue ao urinar? Desconfia que seja câncer de próstata? Então, confira abaixo sinais e sintomas dessa doença.

A próstata é uma glândula masculina localizada abaixo da bexiga, à frente do reto, envolvendo uma parte da uretra. A próstata tem como principal papel ser uma glândula do sistema reprodutor masculino, responsável por produzir e armazenar parte do fluido seminal.

O que é câncer de próstata?

Dentre todos, o Câncer de próstata é o tumor maligno mais comum em homens acima de 50 anos.

A incidência da doença é tão preocupante que resolveram criar a cada ano a Campanha Novembro Azul, a qual visa conscientizar os homens da importância de realizar exames para detectarem, a tempo, a presença da doença, antes que ela se agrave.

Dentre os principais fatores de risco podemos destacar a idade acima de 50 anos, o histórico familiar da doença, fatores hormonais e ambientais, dieta rica em gorduras, sedentarismo e excesso de peso.

Pesquisas recentes reconheceram a raça negra como um grupo de maior risco para desenvolver a doença.

Sinais e sintomas do câncer de próstata

Infelizmente, em sua fase inicial, o câncer de próstata, geralmente, não apresenta sintomas, por isso, é fundamental após uma certa idade os homens realizarem exames regularmente.

Os primeiros sintomas a serem percebidos são:

  • dificuldade de urinar;
  • demora em começar e terminar de urinar;
  • sangue na urina;
  • diminuição do jato de urina;
  • necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite.

Vale saber que esses sintomas também aparecem em alguns casos de doenças benignas da próstata, tais como:

  • Hiperplasia benigna da próstata, que é o aumento benigno da próstata, muito comum em homens com idade superior a 50 anos, ocorrendo naturalmente, devido à idade.
  • Prostatite, que significa uma inflamação na próstata, geralmente causada por bactérias.

Qual o Tratamento Para o Câncer de Próstata?

Antes de falar do tratamento é sempre bom prevenir, e um ótimo suplemento para prevenir doenças relacionadas a próstata é o renovaprost, ele é 100% natural e não tem contra-indicações.

O tratamento irá depender da fase em que for diagnosticado o câncer de próstata, podendo ser indicada a radioterapia, cirurgia, ou mesmo, um tratamento hormonal.

Porém, de qualquer forma, a escolha do tratamento mais adequado é individualizada.

Se o câncer de próstata estiver localizado apenas na próstata, ele pode ser tratado com cirurgia e radioterapia. Já, no caso do câncer ter se espalhado, ou seja, haver metástase, a radioterapia é utilizada junto com tratamento hormonal, além de tratamentos paliativos.

Como foi dito, a escolha do tratamento mais indicado é feita após definidos os riscos, benefícios e melhores resultados para cada paciente, levando em conta, inclusive, o estágio da doença e condições clínicas do paciente.

Por isso, a importância de chamar a atenção para a doença e para a necessidade da realização dos exames de rotina, evitando, assim, que a doença chegue a um grau mais elevado, e diminuindo as chances de cura.


Impotência e anti-hipertensivos

Muita gente nem imagina, mas existe uma relação entre impotência e anti-hipertensivos, mas essa é uma ligação que não pode ser ignorada!

O fato é que a impotência sexual, também chamada de disfunção erétil, é uma queixa considerada bastante comum em pacientes com hipertensão.

Para quem não sabe, a hipertensão é uma condição que se caracteriza pelo aumento da pressão ou tensão da circulação sanguínea no tecido do vaso sanguíneo.

Esse problema de saúde é comumente tratado de duas formas básicas: medicamentos e mudança no estilo de vida.

Nos casos mais leves, é comum que o médico recomende principalmente uma mudança nos hábitos diários, incluindo a prática de atividades físicas regulares, adotar uma alimentação equilibrada e, na medida do possível, evitar o estresse.

Já em casos mais avançados, é preciso iniciar o uso de vasodilatadores, que agem aumentando o calibre dos vasos sanguíneos, fazendo com que o fluxo de sangue provoque uma menor pressão nas paredes das artérias.

Há um tempo atrás, alguns desses medicamentos causavam hipotensão postural, que é a queda de pressão que faz a pessoa sentir-se tonta ao ficar em pé.

No entanto, o fato é que os medicamentos de hoje possuem muito menos efeitos colaterais do que antes.

Os anti-hipertensivos e a impotência sexual

Ainda sobre os medicamentos para hipertensão, é preciso lembrar que há um tempo atrás uma outra classe de medicamentos também era utilizada no tratamento da hipertensão, tanto isoladamente quanto em conjunto com anti-hipertensivos.

Nesse caso, estamos falando dos medicamentos diuréticos.

Embora eles causem também a perda de água e sódio, especialmente no começo do uso, algumas versões mais modernas e o bom ajuste das doses podem fazer com que esses medicamentos sejam grandes aliados no tratamento da doença.

É inegável que, atualmente, os medicamentos provocam muito menos efeitos colaterais do que antes.

No entanto, não é incomum pacientes que relatam problemas de impotência no uso de medicamentos anti-hipertensivos.

Isso acontece porque os remédios diminuem a circulação, incluindo no pênis, impossibilitando que haja ereção. Para quem usa estes medicamentos e percebeu piora no desempenho sexual, uma opção boa é o uso de um gel peniano antes da relação sexual, o V8 Big Size é sensacional para isto.

Além disso caso o paciente note qualquer tipo de problema, é essencial procurar um médico para avaliar o caso.

Isso porque atualmente existem muitas opções de medicamentos que podem ser utilizados, possibilitando uma melhor personalização do tratamento.

O mais importante de tudo é que, mesmo com esse tipo de efeito colateral, o paciente não abra mão do tratamento sem antes falar com um médico e esgotar as alternativas possíveis.

Isso porque quadros hipertensivos sem tratamento podem levar a complicações graves, como AVC e infarto.

Pronto, agora você já sabe um pouco mais sobre a relação entre impotência e anti-hipertensivos.


Saiba o que é prostatite

A próstata é uma pequena glândula masculina, que tem cerca de 3 centímetros e fica logo na base da bexiga, na primeira porção da uretra. Ela é a responsável pela produção de 70% do líquido que é ejaculado durante um orgasmo.

Esse líquido nada mais é do que uma solução alcalina que se junta e protege os espermatozoides para que possam avançar no ambiente vagina, que é mais ácido.

Por causa do local onde fica, as doenças na próstata costumam estar associadas com problemas de bexiga e urinários.

A prostatite, por exemplo, é uma inflamação da próstata, que leva ela a apresentar um crescimento atípico, gerando sintomas desagradáveis como desconforto e dor, além de impedir a passagem da urina.

Na maioria dos casos, o problema é causado por infecções bacterianas, mas também pode estar relacionado com algum tipo de infecção fúngica, viral ou de outros agentes nocivos.

De uma forma geral, existem dois principais tipos de prostatite, que são os seguintes:

  • Prostatite aguda, causada por infecções bacterianas
  • Prostatite crônica, que é o tipo que acontece naturalmente por causa da idade mesmo

Está interessado no assunto? Então vamos saber um pouco mais sobre esse problema que afeta a próstata masculina.

Como é o diagnóstico?

Na maioria das vezes, o exame de toque retal é o mais comum para identificar o problema e pode indicar uma dor na próstata. O médico também pode solicitar a realização de exames complementares para que seja possível excluir condições que possam ser causadoras desse sintoma.

Exames complementares também podem determinar o tipo de prostatite, tal como a cultura de sangue, testes de bexiga e exames de urina.

Fatores de risco para prostatite

A prostatite é uma condição infecciosa causada por bactérias, sendo que alguns dos fatores de risco associados a essa doença são os seguintes:

  • Doenças do sistema nervoso
  • Ser um jovem ou adulto de meia-idade
  • Lesão na área da próstata
  • Trauma pélvico
  • Relações sexuais sem proteção
  • Infecção na uretra ou na bexiga
  • Não se hidratar (beber pouca água)
  • Muito estresse
  • Fatores genéticos
  • Orquite

Como tratar a prostatite

O tratamento determinado para a prostatite irá depender da causa do problema, podendo incluir:

  • Suplementos naturais como Evo Prost, que contém vitaminas A, C e E, além de zinco e agentes antioxidantes
  • Antibióticos, no caso de prostatite bacteriana
  • Bloqueadores alfa, que ajudam no relaxamento do colo da bexiga
  • Anti-inflamatórios, que ajudam a aliviar os incômodos e sintomas
  • Massagem prostática, que pode ser feita pelo médico mesmo, ajudando a aliviar os sintomas

Mudanças no estilo de vida também são bem-vindas no tratamento, tal como realizar banhos de assento, evitar muito tempo sentado, evitar consumo de álcool e beber muita água.